fbpx

Escândalos de corrupção e fraudes dentro de suas estruturas internas podem prejudicar e muito a imagem de uma empresa no mercado, fazendo com que ela perca espaço e negócios. Cada vez mais as organizações estão buscando se proteger de situações como essa e é aí que entra a compliance.

Esse termo, cada vez mais difundido, tem sido utilizado para conceituar uma área independente dentro da empresa, capaz de lidar com uma série de riscos específicos que possam prejudicar a empresa e suas operações.

Neste post, vamos demostrar o que é a gestão de compliance e como realizar a sua aplicação de dentro de uma organização, evitando assim qualquer tipo de situação de risco. Boa leitura!

O que é gestão de compliance?

Qualquer organização, em sua atuação, tem de atender a uma série de determinações, seja a existência de legislações específicas ao seu ramo de atuação, seja a fiscalização de órgãos regulatórios. Além, é claro, das tentativas de fraude e pontos de corrupção.

Quando esse tipo de controle e adaptação não ocorre, a empresa fica sujeita a diversas penalidades, impostas pelo descumprimento das regras. Isso pode ocorrer por parte do Governo, baseado nas leis, ou pelo próprio mercado, que viu nas atitudes da empresa algo desmerecedor.

A palavra compliance é derivada do termo comply, que, em uma tradução livre do inglês, significa satisfazer ou cumprir. Podemos, então, fazer uma ligação do conceito com o cumprimento de determinadas regulações e normas, internas ou externas.

A busca por uma adequação atinge uma série de esferas e departamentos dentro da empresa. São vários os padrões exigidos pelo mercado e pelo Governo em termos trabalhistas, ambientais, fiscais, previdenciários, éticos, financeiros, entre outros.

Qual a importância da gestão de compliance?

Manter uma gestão de compliance é fundamental para que a empresa possa alcançar o sucesso, atingindo suas metas estratégicas ao mesmo tempo em que garante e respeita o cumprimento de todas as normas impostas a si.

Manter uma conformidade com a legislação e regulamentação de seu ramo de atividade garante que a empresa tenha acesso a uma série de benefícios. Entre eles, podemos destacar:

  • economia ─ uma das principais vantagens da compliance e adequação às normas de controle é evitar punições por parte do Governo e do mercado, que seriam traduzidas em multas e prejuízos com a perda de negócios;
  • qualidade ─ manter todos os processos internos de acordo com a regulamentação garante a qualidade de todas as atividades desenvolvidas na empresa;
  • acesso a outros mercados ─ uma gestão de compliance eficiente permite que sua empresa possa manter uma credibilidade em outros mercados, permitindo o acesso a oportunidades fora do país;
  • fortalecimento da empresa ─ cumprir todas as exigências legais, principalmente as ligadas à ética e ao meio ambiente, demostra a preocupação de sua organização e seu comprometimento com o futuro;
  • garante uma governança eficiente ─ a gestão de compliance permite um maior controle acerca de todas as operações, processos e atividades da empresa, facilitando sua governança geral;
  • evita desgastes no mercado ─ uma imagem negativa é difícil de recuperar e pode incorrer em perda de negócios. O descumprimento de normas legais e o envolvimento em escândalos de corrupção podem prejudicar a empresa. Uma gestão de compliance evita esses problemas tão comuns hoje.

Como aplicar a gestão de compliance?

A gestão de compliance deve ser aplicada por um departamento independente dentro da empresa e isso se deve ao fato de que suas atividades estão ligadas a diversas áreas.

Em um modelo tradicional de gerenciamento, cada um dos departamentos da empresa fica responsável pela adequação local de seus processos às exigências legais e regulatórias impostas aos seus processos.

Porém, ao implementar um setor de gestão de compliance, todo o controle acerca de legislação e normas a serem cumpridas, tanto externas quanto internas, ficarão a cargo dos profissionais desse departamento.

Contar com especialistas

O primeiro passo para criar um setor de gestão de compliance é buscar auxílio profissional. É complexo retirar o controle das atividades das mãos de cada setor e transportá-los para outro.

Por conta disso, você terá de apelar para um auxílio especializado. É possível encontrar consultorias de gestão de risco e compliance que podem cumprir o papel de implantadores dessa nova realidade em sua empresa. Esses profissionais podem também realizar um monitoramento constante de todas as atividades.

Desenvolver uma análise de GAP

Implantar um setor de compliance exige que todas as normas criadas para garantir a qualidade e segurança dos processos venham a condizer com a realidade e objetivos da companhia.

Por conta disso, é preciso desenvolver uma análise de GAPs própria, mapeando todas as situações indesejáveis e que possam vir a trazer qualquer tipo de complicação para a sua empresa.

Estar atento a todas as exigências

Existem várias exigências por parte dos governos e por conta disso uma empresa deve estar atenta a qualquer mudança para poder realizar um auditoria de todos os seus GAPs. Por exemplo, recentemente, o BACEN aprovou a resolução n°4658, acerca de exigências de CiberSegurança.

Também nos últimos dias, o Senado aprovou um projeto de lei sobre a proteção de dados de usuários por parte das empresas, muito parecido com o que já é aplicado na União Europeia. Entre algumas das principais exigências hoje, podemos citar:

  • PCI: padrão de segurança para proteger dados confidenciais de cartão de crédito;
  • SOX: lei para proteção de acionistas emitida nos Estados Unidos que exige o armazenamento de registros corporativos para evitar fraudes;
  • GDPR: regulamentação europeia para a segurança de dados de usuários durante transações de informação;
  • Resolução n°4595: principal regulamentação brasileira acerca de políticas de conformidade para instituições financeiras emitida pelo Banco Central.

Como é formada uma equipe de compliance?

Os desafios de uma equipe de compliance, como você já deve ter percebido, são muitos. Com isso, montar uma equipe que possa responder à altura de toda essa complexidade também se apresenta como uma dificuldade. Podemos dar algumas dicas sobre como reunir um grupo da melhor forma.

Cargos e funções de uma equipe de compliance

Dentro do departamento de gestão de compliance deve-se realizar uma divisão clara de funções e cargos, para que todos os colaboradores possam cumprir com suas tarefas de forma organizada. Entre as principais funções, estão:

  • diretor ─ responsável por supervisionar e controlar todo o programa de gestão de compliance dentro da empresa;
  • gerente ─ realiza o controle das atividades e dá suporte aos demais colaboradores, fazendo a ponte entre o diretor e o restante da equipe;
  • coordenador ─ revisa a implantação das políticas de compliance e sua eficácia;
  • analista ─ monitora todos os processos e é responsável pela maioria das atividades de verificação e identificação de riscos.

Tamanho da equipe de compliance

O tamanho ideal para uma equipe de gestão de compliance vai depender diretamente da organização e seus principais desafios. Para empresas que têm de atender a diversos órgãos fiscalizadores e regulações, a tendência é a necessidade de maiores equipes.

Colaboradores multidisciplinares

Outro ponto a ser observado na hora de montar um time para o departamento de gestão de compliance é a necessidade de buscar por profissionais multidisciplinares, uma vez que o departamento terá de atender a demandas de todas as áreas do conhecimento.

O compliance é essencial para que uma empresa possa atender a todas as normas e regulamentações impostas pelo mercado e governos a fim de evitar punições e garantir uma boa reputação.

Quer ficar por dentro de mais posts como esse? Então, não perca tempo e nos siga no Facebook, Twitter e LinkedIn!