Estamos vivendo na era do conhecimento — um momento em que os dados têm um valor estratégico cada vez maior dentro das organizações, e, com isso, a busca por implementar soluções e técnicas de segurança da informação aumentam cada vez mais.

Hoje, o conhecimento acumulado por uma instituição pode ser considerado como um de seus principais ativos e por isso deve ser protegido a qualquer custo, visando a continuidade do negócio.

Neste post, reunimos um material completo sobre segurança da informação, o que é, quais são seus benefícios, principais soluções utilizadas e uma série de dicas relevantes para a sua implantação. Confira!

O que é segurança da informação?

A informação é um recurso precioso que não se deteriora, mas pode se tornar obsoleta se não forem tomados os devidos cuidados. É um ativo estratégico que pode ser de grande valia para uma empresa.

Com isso, nasce a necessidade de buscar proteger tal bem de forma que ele não se perca ou seja tomado, causando uma série de infortúnios como prejuízos e até mesmo a parada das operações de uma empresa.

Por exemplo: imagine o que ocorreria se uma organização perdesse todos os dados relativos aos seus funcionários, com registros e folhas de pagamento, ou quem sabe todos os contatos de seus fornecedores.

A segurança da informação é um conjunto de boas práticas, software, hardware e peopleware que uma empresa deve aplicar para assegurar a proteção de dados, os próprios e os sob sua tutela.

Quando falamos em segurança da informação, boa parte dos gestores costuma pensar apenas que um bom antivírus é a solução perfeita. No entanto, é preciso buscar muitas outras ferramentas para criar um ambiente seguro.

Importância da segurança da informação

Com o aumento do uso de tecnologias — e, consequentemente, da dependência que as empresas estão desenvolvendo dessas soluções —, as vulnerabilidades também crescem exponencialmente, criando brechas que podem ser utilizadas por criminosos para o roubo de dados.

Assim, a falta de monitoramento da segurança da informação pode facilitar a ação de hackers no acesso aos conhecimentos de uma empresa, causando uma série de prejuízos.

Outro ponto de importância da aplicação da segurança da informação é a continuidade dos negócios independentemente dos eventos que possam vir a ocorrer. Isso implica que mesmo que um desastre natural destrua os servidores da empresa haverá uma maneira de continuar operando.

As ameaças

Uma das grandes lojas brasileiras de varejo no setor de calçados e itens desportivos teve uma lista de seus clientes divulgadas por hackers que dizem ter invadido os seus sistemas. Segundo dados da imprensa, cerca de 2 milhões de consumidores tiveram seus dados vazados na rede.

Os criminosos têm sido cada vez mais ousados em suas invasões, prejudicando muitos negócios. Hoje não apenas ocorrem ataques para roubo e destruição de dados, mas também para o sequestro de informações.

Ransonwares como o WannaCry e o BadRabbit criptografam os conteúdos de um servidor ou computador pessoal e a chave para descriptografar só é entregue após um pagamento de resgate em Bitcoins, o que inviabiliza o rastreamento dos criminosos.

Quando falamos em segurança da informação a primeira coisa que vem a mente é a ação de hackers, contudo, o objetivo das boas práticas e técnicas de proteção não é apenas evitar o ataque de criminosos é também manter os negócios funcionando.

Os desastres naturais e eventos catastróficos também podem ser grandes vilões para as empresas, destruindo muitas informações e impedindo a sua recuperação. Podemos nos lembrar do caso do World Trade Center em 11 de setembro de 2001, atacado por terroristas e vindo a cair no mesmo dia.

Centenas de empresas tinham sua base de operações nos dois prédios e não tinham nenhum plano de ação para recuperação das informações contidas ali. Além da dor da perda de vidas humanas no ataque, ainda houve várias complicações por conta do desaparecimento dos dados.

Benefícios da segurança da informação para empresas

Disponibilidade

Um dos principais objetivos da proteção dos sistemas e dados é garantir que todas as necessidades do negócio serão saciadas e todos os processos estarão disponíveis a todo o tempo.

A disponibilidade é o que garante a continuidade das atividades da empresa independentemente do que possa ocorrer. Isso permite diminuir os custos com paradas de produção.

Confiabilidade

A razão por muitas empresas buscarem investir em segurança da informação é para trazer confiabilidade para os seus processos e sistemas, permitindo a proteção de seus dados críticos.

Não existe um sistema 100% seguro, porém, a aplicação das melhores práticas de segurança da informação aumentará o nível de proteção e assim trará maior confiabilidade para a estrutura de TI.

Aumento de produtividade

O resguardo das informações também é responsável por um aumento visível de produção, uma vez que os sistemas terão uma melhoria no tempo de disponibilidade.

Com menos tempo parado para recuperação de desastres e manutenções a estrutura de TI estará disponível para que os colaboradores possam manter suas atividades por um período maior, gerando mais produtividade.

Uma série de barreiras bem trabalhadas que evitem o acesso a sites que não tenham relevância para a empresa, além de redes sociais, também aumenta o tempo de disponibilidade do colaborador para as atividades do negócio.

Integridade dos dados

Quando falamos em integridade dos dados, estamos dizendo que existe a garantia de que todas as informações manterão sua precisão e consistência enquanto estiverem no ciclo de vida da informação.

A integridade é uma necessidade básica de sistemas e é essencial para que a empresa alcance bons resultados com a diminuição de falhas e erros de processo, sendo assim, investir em segurança permite manter a integridade de seus dados.

Ajustes estratégicos

O gestor da segurança da informação  pode utilizar do monitoramento realizado para a proteção dos sistemas para verificar as vulnerabilidades e oportunidades de melhoria nos processos.

Com isso, a segurança da informação torna-se também uma ação estratégica para ajustes de processos dentro da empresa, melhorando significativamente os resultados gerais da organização.

Redução de custos

Como uma consequência geral de todas as outras vantagens temos a redução geral de custos, uma vez que haverá menos gastos para a recuperação de desastres e manutenção.

Outro ponto que auxilia na diminuição de custos é o aumento de produtividade e a disponibilidade dos sistemas. O dinheiro economizado pode ser reinvestido em outras áreas da empresa ou até mesmo na compra de melhores equipamentos.

Riscos por não implantar a segurança da informação para empresas

Ataques externos

Os hackers vêm se especializando cada vez mais na utilização de vulnerabilidades de sistemas para invadir e roubar dados das empresas. Essas brechas podem ser desde um sistema não atualizado até mesmo uma falha humana como um colaborador desatento.

Um monitoramento adequado de toda a infraestrutura de TI é a única saída para identificar todas as vulnerabilidades existentes e tratá-las da melhor forma a evitar essas situações.

Perda de dados

Falhas técnicas e humanas podem acontecer a qualquer tempo, e é preciso saber lida com elas. Ao não investir em segurança da informação, a empresa está sujeita a perda de dados críticos a qualquer tempo.

As boas práticas de proteção auxiliam o gestor a ter um controle total acerca de rotinas que podem evitar essa situação como o backup, históricos de modificação de arquivos, verificação de acesso, entre outros.

Falta de confiança

A perda de dados pode ter consequências catastróficas para uma empresa, desde a interrupção dos serviços e indisponibilidade dos sistemas até o vazamento na rede de informações confidenciais da empresa e de clientes.

Esse tipo de ocorrência pode prejudicar muito uma empresa, que, por sua vez, fica com uma mancha em sua reputação junto aos consumidores e o mercado. Por isso a importância de monitorar todas as vulnerabilidades da infraestrutura e evitar esse cenário.

Dicas de implantação de segurança da informação

Faça um planejamento

O primeiro passo para o desenvolvimento de qualquer atividade é sempre planejar muito bem as suas ações e com a segurança da informação não é diferente. A depender da infraestrutura de TI e a maturidade de sua equipe, formular e implantar soluções de proteção pode ser complexo.

A responsabilidade de realizar o planejamento é do gestor, no entanto, é interessante que membros de todos os setores da empresa participem, afinal, todos geralmente são informatizados e geram dados a todo instante.

É necessário realizar um levantamento acerca dos principais pontos críticos e informações mais relevantes para que então, a partir dessa primeira avaliação, seja possível visualizar quais são os pontos que carecem de uma maior atenção.

Crie políticas de segurança

Após o planejamento e identificação dos dados críticos, é necessário realizar a criação de uma política de segurança como forma de proteção contra ameaças internas e externas.

Uma PSI é uma série de orientações, regras e normas que devem ser seguidas a risca por todos os colaboradores com acesso às informações geradas dentro dos sistemas da empresa. Entre os pontos que devem ser tratados na PSI temos:

  • hierarquia para acesso aos dados;
  • informação a gerenciar e seus tipos;
  • maiores riscos;
  • consequências de vazamentos;
  • vulnerabilidades da infraestrutura;
  • melhores práticas;
  • entre outros.

O nível de complexidade da política de segurança vai depender do tamanho da TI de uma empresa, sendo necessário o compartilhamento do documento para conhecimento por parte de todos os colaboradores.

Programe treinamentos com a equipe

Nem todos os funcionários de uma empresa são especialistas em TI e, com isso, o risco de que eles cometam algum erro que possa pôr em risco a segurança da informação aumenta muito.

Quanto maior o número de colaboradores, maiores as chances de existirem uma grande parte que não conheça as boas práticas de proteção de dados e venham a ser um risco para as informações da empresa.

Para evitar esse tipo de situação, além da criação de políticas de segurança é necessário também investir em treinamentos com o intuito de orientar os colaboradores sobre a importância de um ambiente digital seguro.

Realize rotinas de backup

Uma das maiores proteções contra a perda massiva de dados é a rotina de backup. Afinal de contas, é por meio dela que uma empresa pode salvar boa parte de suas informações e recuperá-las caso algum imprevisto aconteça.

Contudo, algumas organizações não dão a devida importância para essa prática e acabam pagando caro por isso. O backup não deve ser realizado de qualquer maneira. É preciso seguir todas as boas práticas para garantir que em caso de necessidade a cópia esteja funcional para a recuperação.

O ideal é criar uma rotina de backup que contenha cópias em mais de um local, realizando o processo periodicamente, com menor intervalo para dados críticos e com testes de recuperação constantes.

Tenha um plano de contingência

Um plano de contingência é aplicado quando a empresa acaba sofrendo com um determinado desastre e necessidade dar continuidade as suas operações da melhor maneira possível.

O plano de contingência deve levar em conta a maioria dos cenários possíveis e quais as principais atitudes que devem ser tomadas para garantir a disponibilidade dos sistemas e a continuidade do negócio.

É preciso que todos os departamentos estejam cientes sobre como devem agir caso um cenário de desastre se instale para que nenhum dos dados críticos acabem se perdendo ou a empresa fique por muito tempo inativa.

Pense na terceirização

A segurança da informação é uma atividade estratégica e o seu desenvolvimento carece de profissionais que sejam especialistas. No entanto, a contratação de tais colaboradores pode aumentar os custos do setor de TI significativamente.

A melhor saída, nesse caso, é a terceirização da segurança da informação. Existem empresas especializadas na aplicação de proteção de dados e que contam com os melhores profissionais do mercado.

Em um cenário como esse, a empresa contrata a parceria e tem acesso a todo o know-how dos especialistas sem as dores de cabeça de sua contratação direta. A parceira terceirizada é responsável por prover todas as soluções em segurança da informação.

Boas práticas de segurança da informação

Já destacamos algumas dicas para a implantação da segurança da informação em sua empresa, agora vamos repassar algumas das boas práticas que visam proteger seus dados.

Atualização constante

Uma das principais brechas exploradas pelos hackers para realizar suas invasões são as falhas em sistemas desatualizados. As desenvolvedoras de software costumam lançar atualizações sempre que alguma vulnerabilidade é encontrada.

É essencial para a proteção de suas informações e infraestrutura de TI que sua equipe mantenha todos os seus sistemas atualizados afim de evitar a ação de cibercriminosos.

Testes de backup

A rotina de backup é crucial para guardar seus dados críticos de qualquer possível desastre ou sequestro que possa ocorrer, garantindo que você recupere as informações e manter a continuidade dos serviços.

Mas, para isso, é necessário que as cópias realizadas estejam funcionais. É preciso criar rotinas de teste de backup para avaliar a qualidade do processo e possibilidade de recuperação dos dados em caso de necessidade.

Controle de acesso

Nem todas as informações disponíveis dentro da empresa devem estar visíveis para todos os colaboradores. O ideal é criar controles de acesso por hierarquia de acordo com a necessidade de cada funcionário.

Assim, diminui-se o contato de pessoas com boa parte dos dados críticos e assim também minimiza-se o risco de vazamento ou contaminação dessas informações por falha humana.

Política rígida de senhas

Com o grande número de sistemas utilizados pelas pessoas em seu dia a dia, está se popularizando a utilização de senhas banais para que o colaborador possa recordar mais facilmente de seu acesso.

Contudo, esse tipo de senha simples facilita a ação de cibercriminosos, que têm mais facilidade para invadir os sistemas. Crie políticas rígidas de senha, exigindo que o colaborador utilize combinações de letras, caracteres especiais e números para aumentar a segurança.

Investir em boas soluções

Uma boa equipe de TI, interna ou externa, é a principal responsável por manter a proteção dos dados e garantir a continuidade dos negócios, no entanto, é preciso também investir em boas soluções.

Existem diversos softwares de segurança da informação no mercado, como antivírus completos e firewalls, que podem auxiliar na tarefa de melhorar a segurança da informação.

Utilizar criptografia

A criptografia é uma das armas utilizadas pelos cibercriminosos em seus ataques, principalmente na utilização de ransonwares, onde os dados da vítima são sequestrados e criptografados para evitar o uso.

Pode-se, contudo, utilizar esta técnica como forma de proteção contra invasões. É possível criptografar dados críticos para evitar, que se acaso sejam roubados, a visualização por parte dos hackers.

Principais certificações em segurança da informação

Ao escolher profissionais de segurança da informação (ou até mesmo para comprovar as suas habilidades na proteção de dados e infraestrutura de TI), é possível contar com certificações na área. Entre as principais, estão:

CISSP ─ Certificação Information Systems Security Engineering Professional

Administrada pelo Consórcio Internacional de Certificação de Segurança de Sistemas da Informação, órgão conhecido pela sigla (ISC)², a CISSP é uma das principais certificações de segurança da informação existente no mercado.

Por meio dela, o profissional atesta seus conhecimentos, habilidade e experiência na área de proteção de dados, implantação de ferramentas e gerenciamento de soluções de segurança.

É necessário comprovar 5 anos de experiência no setor e é preciso realizar uma prova com 250 questões com acerto de 700 pontos dos 1000 existentes para ser aprovado.

CHFI ─ Computer Hacking Forensic Investigator

Essa é uma certificação voltada a profissionais que buscam exercer um cargo na área de perícia forense da segurança da informação. Ela atesta as habilidades do colaborador na detecção da ocorrência de ataques realizados por hackers e na obtenção de evidências que possam apontar o culpado.

Pode-se verificar diversos crimes virtuais como a espionagem industrial, destruição de propriedade intelectual, sabotagem, mau uso de sistemas, roubo e sequestro de informações, entre outros.

É possível participar de treinamentos especializados para preparar os profissionais que tenham interesse em candidatar-se para a certificação CHFI, nos quais poderão aprimorar seus conhecimentos para a prova.

CEH  ─ Certified Ethical Hacker

Trata-se de umas das principais certificação para que deseja atestar as suas habilidades de pen tester umas das profissões que mais cresce no mudo nos últimos tempos.

Trata-se de um treinamento, que proporciona um amplo conhecimento e prática real sobre as mais atuais ferramentas e técnicas de ataque e devesa virtual, permitindo atuar profissionalmente diante da ameaça.

O treinamento CEH, tem um enfoque totalmente prático, baseado nos distintos tipos de invasões que ocorrem em diversos ambientes.

O programa de CEH certifica indivíduos na área específica de segurança e na disciplina de “Hacker Ético”, desde a perspectiva “vendor neutral”, ou seja, não enfoca uma tecnologia específica (um Vendor específico). Um Ethical Hacker certificado pelo EC-Council é um profissional dotado de habilidades para encontrar as vulnerabilidades e fraquezas dos sistemas, utilizando os mesmos conhecimentos e ferramentas que usam um hacker malicioso.

CCISO ─ Certicação CCISO, Certified Chief Information Security Officer

A certificação CCISO é de responsabilidade da EC-Concil é atesta a habilidade de líderes do setor de segurança de lidar com os desafios impostos para a proteção das informações nas empresas. É reconhecida mundialmente.

É composta de um treinamento, que é seguido da prova de certificação, que, por sua vez, avalia os conhecimentos do gestor e seu senso crítico na hora de implantar uma determinada solução de segurança da informação e dos princípios da proteção de dados.

É exigido que o candidato tenha no mínimo 5 anos de experiência comprovada em três das cinco áreas de domínio do CCISO. Entre elas,  estão governança, projetos e operações, competências em proteção e planejamento financeiro e estratégico.

Como escolher uma boa solução de segurança da informação?

Existem diversas soluções para implantação na segurança da informação em uma empresa, desde ativos de hardware como de software e todos podem ser de grande valia na hora de proteger seus dados.

Para escolher quais são as melhores opções e garantir a segurança em sua empresa, é preciso atentar-se a alguns critérios. Entre eles estão:

Conheça as suas necessidades

Antes de pesquisar acerca de qualquer solução a ser aplicada em sua empresa, o primeiro passo é conhecer quais são as reais demandas existentes em sua empresa e que devem ser sanadas.

Por exemplo, pode ser que você mantenha seus sistemas em uma nuvem pública e assim já conte com rotinas de backup automáticas, não sendo necessário demandar tempo buscando uma solução como essa.

Contrate um especialista

Sua equipe de TI pode ser composta por ótimos profissionais, mas o know-how necessário para encontrar as melhores soluções disponíveis no mercado é característica de um especialista em segurança.

A melhor forma para se ter acesso a esses profissionais é por meio da terceirização, firmando parceria com uma empresa especializada em prover segurança da informação.

Pesquise os fornecedores

Antes de contratar qualquer solução, é preciso avaliar muito bem o fornecedor para garantir que caso ocorra qualquer problema ele poderá estar disponível para a rápida resolução.

Isso pode ser feito pesquisando junto a atuais clientes do fornecedor como funciona a relação deles e qual o suporte oferecido. É preciso estar atento também ao fechar o contrato sobre o tempo de resposta para eventuais problemas que possam ocorrer.

ISO 27001 e GRC

A ISO 27001 é uma norma de referência internacional para a formulação de políticas e práticas de Segurança da Informação nas empresas, e a obtenção de sua certificação garante que o negócio cumpre com todas as suas exigências.

A norma utiliza como princípio a adoção de um determinado conjunto de requisitos, processos e controles por parte da organização com o intuito de mitigar e gerir da melhor forma possível os potenciais riscos do negócio.

Empresas maiores ou multinacionais tem áreas especificas e programas de implementação de GRC, Governança, Risco e Conformidade. Ou seja, munir a organização com uma série de práticas que permitam governar de maneira segura todos os processos, minimizar os riscos envolvidos e estar em conformidade com as regulações especificas que interfiram no negócio.

O compliance ou conformidade é um dos itens mais importantes deste programas, pois garante que a empresa pode atender a todas as demandas geradas de forma obrigatória por determinados clientes ou setores específicos, como BACEN, PCI, SUSEP e SOX.

Por outro lado, existem empresas que não estão ligadas fortemente a exigências setoriais, mas realizam investimentos em Segurança da Informação baseados em redução dos riscos iniciando o programa com análise de riscos. Ainda existem alguns negócios que buscam por melhorar a sua proteção baseados em governança.

A segurança da informação ajuda na redução de riscos e é uma atividade estratégica de grande importância para a empresa, uma vez que garante a continuidade do negócio independentemente dos eventuais problemas que possam prejudicar as operações. Esperamos que ao finalizar a leitura deste texto você possa ter compreendido isso.

Gostou deste post? O que seus amigos e colegas vão achar? Compartilhe este artigo com eles em suas redes sociais e permita que eles também conheçam a importância da segurança da informação.