A tecnologia trouxe várias vantagens para todas as empresas, porém também trouxe uma preocupação constante: garantir a proteção da informação. Como manter os seus dados e os de seus clientes seguros contra investidas constantes de cibercriminosos? Existem diversas ferramentas de segurança da informação que podem auxiliar uma empresa nessa tarefa árdua.

No post de hoje, reunimos 5 tecnologias e técnicas de proteção de dados para utilização no seu negócio para evitar que seus dados, ou de seus clientes, sofram com invasões ou até mesmo perdas devido a intempéries. Continue conosco e tome nota!

1. Monitoramento

Os sistemas de monitoramento podem vasculham parte ou todo o ambiente de tecnologia da informação da empresa em busca de vulnerabilidades, informações em logs, indicadores e falhas que podem ser utilizadas como porta de entrada para malwares e outros softwares maliciosos utilizados por hackers para realizar ataques, fraudes, roubos e sequestros de dados e informações.

Por meio da identificação de vulnerabilidades na infraestrutura de TI é possível prevenir possíveis ataques, trabalhando em soluções que possam corrigir as falhas encontradas. Existem sistemas que têm a capacidade de realizar análises rápidas que não interferem na utilização e desempenho das máquinas.

É possível identificar outros tipos de situação por meio do monitoramento, como as possibilidades de melhoria dos sistemas. Também é possível analisar os pontos críticos dos sistemas e possíveis falhas que venham a acontecer por excesso de demanda.

Um grande número de eventos suspeitos pode ocorrer todos os dias na infraestrutura de tecnologia da empresa e passar despercebido aos olhos da equipe de TI. Identificar e tratar esses eventos é essencial para minimizar os riscos existentes às suas informações.

Principais ações de monitoramento

Algumas ações são imprescindíveis para o sucesso de um monitoramento da infraestrutura de TI de uma empresa. São elas:

  • monitorar os eventos em tempo real, ou com o máximo de proximidade;
  • inventariar, obter e armazenar dados acerca de softwares, redes, e demais dispositivos em uso na empresa;
  • executar varreduras constantes em busca de vulnerabilidades ou eventos suspeitos;
  • análise e revisão periódica de informações sobre eventos críticos;
  • criar indicadores e relatórios personalizados e claros para demonstrar os resultados do monitoramento;
  • efetuar correções sobre as vulnerabilidades e falhas encontradas durante o processo.

2. Firewall

Uma das ferramentas mais utilizadas no mercado é o Firewall. Essa tecnologia funciona como uma parede que visa barrar conteúdos maliciosos enquanto permite que informações sejam recebidas e enviadas por meio da internet.

Podemos dizer que ele funciona como um filtro que deixa que passe apenas aqueles que obedecem à certas regras, garantindo assim a integridade da rede. Existem basicamente duas maneiras de se implementar soluções de Firewall: por meio de aplicativos ou seja software e por meio de hardware, uma solução mais robusta, também conhecida como appliance.

Hoje há no mercado uma evolução do Firewall chamada Next Generation. Essa nova solução é mais moderna e pode realizar bloqueios não somente de portas e protocolos, mas também de funcionalidades especificas dentro de uma URL.

Outra ferramenta de Firewall existente é o UTM (Unified Theat Mangement), trata-se de um firewall multi funcional que incorpora em uma única solução IPS, Gateway Antivírus, Web Filter, Antispam VPN entre outros sistemas de segurança.

3. Soluções Endpoint

A definição de segurança Endpoint é proteger cada nó de extremidade de uma rede corporativa contra ataques e invasões. Tais pontos são geralmente os computadores, servidores e os dispositivos móveis dos usuários finais. As soluções Endpoint abordam os riscos que esses pontos possam trazer para a rede.

Qualquer dispositivo que se conecte internamente na rede pode ser considerada uma porta de ameaça que venha a prejudicar toda a infraestrutura da empresa. À medida que a maioria das companhias implementa uma política de permitir o uso dos próprios dispositivos no trabalho, a importância dos investimentos em tecnologias de segurança Endpoint aumenta.

4. Backup

Backup é uma técnica que consiste em realizar cópias de segurança de seus arquivos e sistemas para posterior restauração em caso de necessidade, como um desastre natural, incêndio ou até mesmo um ataque hacker que cause perda de informações.

Existem hoje diversas soluções no mercado que possibilitam a criação de backups de maneira simples e rápida, assim como a restauração das cópias. A sua importância para qualquer empresa consiste na possibilidade de manter seus serviços de TI disponíveis mesmo após qualquer eventualidade. Não é uma técnica de prevenção e sim de resposta a eventos inesperados.

Uma tecnologia de destaque nessa área é a computação em nuvem que permite que o backup seja criado sem dificuldades, testado e restaurado rapidamente. Além disso, o armazenamento é mais seguro que em mídias físicas no local.

Melhores práticas de backup

Na hora de criar uma estratégia de backup é necessário que você observe algumas boas práticas para quando necessitar realizar um restore de suas cópias e, assim, possa evitar surpresas desagradáveis, como dados corrompidos.

Local de armazenamento

Faz-se necessário armazenar seus backups em locais diferentes de onde seus dados principais estão mantidos. É interessante até realizar o armazenamento das cópias fora da empresa.

Tamanho de backup

É essencial para a rotina de criação e restore das cópias de segurança que seu tamanho seja reduzido, eliminando, para isso, informações duplicadas e desnecessárias.

Periodicidade

Manter cópias atualizadas é crucial para não perder informações ao realizar um restore, por isso a importância da rotina de backup ser periódica.

Teste constante

Para evitar dados corrompidos, realize testes nas cópias criadas sempre que possível verificando sua integridade.

5. Treinamento de funcionários

Um dos maiores problemas nas empresas em relação à segurança da informação não vem diretamente de ataques, mas de funcionários distraídos ou descuidados. Muitos hackers utilizam da engenharia social para acessar as informações da empresa.

Com o contato certo e alguns minutos de conversa, é possível ao atacante obter informações valiosas que o ajudarão a invadir os sistemas da empresa com muito mais facilidade. Para evitar esse tipo de situação é preciso investir no treinamento de sua equipe de colaboradores, criando na empresa o sentimento de que a segurança é responsabilidade de todos.

Entre as atitudes que devem ser destacadas como boas práticas de segurança estão:

  • utilizar senhas fortes e diferentes das utilizadas em dispositivos e aplicações pessoais;
  • adoção de acesso em duas etapas sempre que possível implementar;
  • evitar o acesso a sites suspeitos assim como a instalação de softwares de fontes desconhecidas;
  • sempre optar por conexões HTTPs;
  • não conectar dispositivos externos aos computadores da empresa sem a verificação prévia da equipe de TI;
  • não acessar e-mails pessoais na empresa.

Essas foram algumas das técnicas e ferramentas de segurança da informação mais utilizadas e que merecem investimento por parte das companhias para garantir a segurança de seus dados perante as crescentes ameaças virtuais. Gostou deste post? Então assine a nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos por e-mail!