Realizar uma gestão de riscos eficiente é essencial para qualquer empresa hoje. Isso porque, com as rápidas mudanças de mercado, devido à transformação digital, uma demora de reação pode prejudicar seus negócios.

São diversos os pontos de controle de riscos e várias as situações que podem levar ao prejuízo de sua empresa. Como então realizar um acompanhamento eficaz de todas essas ocorrências?

Para responder a esse questionamento e mostrar o caminho a ser seguido para melhorar a sua gestão de riscos e torná-la mais eficiente, criamos este post. Continue conosco e confira todas as dicas que reunimos para você!

O que é gestão de riscos

Antes de mais nada, vamos definir o que é uma gestão de riscos. Todo processo, atividade ou projeto mantém um determinado nível de risco, que podemos considerar como a chance de algo não sair como planejado, causando perdas de recursos ou atrasos.

Esses problemas podem ter diferentes origens, como uma falta de demanda do mercado, a quebra de um fornecedor de matéria-prima, os erros de um funcionário.

Qualquer dos itens anteriores pode representar um risco para a sua operação, trazendo danos. Porém, esses mesmos fatores podem trazer consigo oportunidades de melhoria, mas para aproveitá-las é preciso mapear os riscos primeiro.

É nesse ponto que surge a gestão, que identifica todos esses pontos antes que aconteçam, facilitando o aproveitamento das oportunidades e minimizando as ações das ameaças.

Podemos então conceituar o gerenciamento de riscos como um conjunto de ações estratégicas que visam minimizar as ameaças e maximizar as oportunidades trazidas por eventos incertos e fora do controle de sua empresa.

Dicas para uma gestão de riscos eficiente

Agora que você já sabe o que são os riscos e a importância de realizar uma gestão eficiente para melhor aproveitar suas oportunidades e livrar-se das ameaças, vamos listar algumas dicas de gerenciamento.

1. Análise de riscos

Para aplicar uma gestão de riscos de forma eficiente, o primeiro passo é identificar. Ao realizar um bom planejamento de cada um de seus processos e atividades, assim como de projetos iniciados, é possível verificar quais são as ameaças e oportunidades envolvidas.

Nem todo risco representa um problema em potencial, alguns podem ser convertidos em chances de melhoria de processo, trazendo ganhos para a sua organização. Por exemplo, um sistema que tenha reduzido seus riscos operacionais permite uma maior liberação de créditos e alçadas.

Existem alguns frameworks utilizados para realizar uma análise de riscos. Entre eles estão:

  • ISO 27005;
  • ISO 31000;
  • NIST SP 800-30;
  • OCTAVE Allegro.

2. Tipo de análise: quantitativa ou qualitativa

O segundo passo após a identificação é realizar a análise quantitativa ou qualitativa. Nesse ponto, todos os riscos são priorizados de acordo com o grau de severidade. Na análise qualitativa será previsto o impacto nos negócios da empresa, caso o risco se concretize, e a probabilidade de ele vir a acontecer realmente.

A partir da priorização é iniciada a busca por uma solução adequada. A análise qualitativa é mais subjetiva e prioriza todas as ameaças com maior risco de ocorrer e que teriam um maior impacto sobre as atividades da empresa.

Já a análise quantitativa diz respeito a um levantamento numérico acerca dos efeitos que as ameaças podem trazer para o negócio e suas operações. Geralmente, são utilizadas simulações de cenários para realizar esse levantamento.

3. Avaliação de risco

A avaliação de risco trata de identificar os impactos e as consequências de uma determinada ameaça. Esse é um passo essencial para priorizar aqueles problemas que podem trazer maiores prejuízos para a empresa. É nessa fase que se define o que chamamos de apetite a risco da organização.

Dentro da avaliação é que são realizados os levantamentos dos possíveis riscos que serão tratados pela empresa e quais serão aceitos.

4. Tratamento

Após realizar a identificação de todos os riscos e priorizar cada um deles de acordo com sua ocorrência e impacto, é hora de buscar pelas melhores soluções de acordo com o nível de urgência.

Nesse momento são visualizadas a oportunidade trazida por um determinado risco e a busca pela maximização e exploração desse item, assim como a tentativa de diminuir ao máximo qualquer ameaça identificada.

Um planejamento é a construção de ações de resposta para os riscos selecionados na fase de avaliação. Na fase de tratamento a empresa pode optar entre 4 tipos de estratégias diferentes:

  • mitigação: uma das técnicas de tratamento de risco mais utilizadas, reside em limitar o impacto causado por um risco. Dessa forma, o problema se torna menor e não causa muitos prejuízos;
  • transferência: essa técnica consiste em transferir a responsabilidade pelo gerenciamento de risco para um terceiro contratado. Nestes casos um seguro é uma opção interessante;
  • aceitação: ao utilizar essa técnica você não toma nenhuma ação preventiva para evitar que os riscos aconteçam, apenas aceita as possibilidades e coordena atitudes para lidar com os problemas quando eles surgirem;
  • eliminação: essa é a técnica ideal de gerenciamento de riscos e visa eliminar qualquer possibilidade que possa ameaçar a continuidade dos negócios. Contudo, evitar totalmente as ameaças é quase impossível.

5. Monitoramento de riscos

Ao final do planejamento inicia uma das fases mais sensíveis de todo o processo de gestão de riscos, o monitoramento. É por meio dele que são acompanhados todos os processos a fim de identificar o momento em que uma nova oportunidade ou ameaça se apresenta.

Esse acompanhamento deve ser constante, para evitar qualquer surpresa que faça com que sua empresa perca uma chance de melhorar seus resultados ou acabe prejudicada por uma ameaça não visualizada.

6. Uso de tecnologias para controle e otimização

A tecnologia faz parte da vida, e suas ferramentas são essenciais para controle e otimização de processos. Com a gestão de riscos não é diferente,visando alcançar um bom crescimento e desenvolvimento de seu negócio.

Agora que você já sabe como fazer uma gestão de riscos, que tal continuar conosco e saber como deve ser a formação dos profissionais envolvidos? Leia nosso post sobre o assunto para entender a importância desse investimento para sua empresa!