fbpx

Conforme as novas tecnologias se tornam mais acessíveis e populares entre a população em geral, o cibercrime também cresce devido ao acesso a informações e compartilhamento de conteúdos na web.

Muitas pessoas começaram a utilizar de maneiras escusas para obter lucro a partir do ataque cibernético, roubo e sequestro de dados de usuários e empresas, que tem de se proteger dessas práticas.

Neste post, vamos mostrar para você o que é exatamente o cibercrime por definição e quais os principais praticados contra as organizações que possam trazer prejuízos financeiros. Fique atento!

O que é cibercrime?

Chamamos de cibercrimes toda e qualquer atividade ou prática ilícita realizada com o apoio das tecnologias, ocorrendo por meio da internet. Dentro desse rol de possibilidades estão a invasão de sistemas, disseminações de vírus, falsidade ideológica, roubo de dados pessoais, entre outras.

O crime virtual também envolve crimes comuns como difamação, porém, realizados por meio de dispositivos eletrônicos. No entanto, esse tipo de atividade não atinge tanto as empresas.

Uma das principais características do cibercrime, e uma das responsáveis pela dificuldade em rastrear e encontrar suas origens, é a sua internacionalidade, uma vez que na maioria das vezes o atacante não está na mesma região ou país do alvo. Qualquer pessoa, de qualquer lugar, com acesso à internet pode conduzir um ataque.

Quais os principais cibercrimes?

Alguns cibercrimes têm impacto direto sobre o financeiro de uma empresa, visto que traz prejuízos diversos como pagamentos de multas e sanções, como as listadas na LGPD, e o próprio desgaste da imagem perante o público por conta da invasão. Os principais são.

1. Phishing

A técnica de phishing é uma das mais simples e mais utilizadas pelos cibercriminosos. Consiste em criar estratégias com engenharia social para o roubo de informações confidenciais e pessoais como senhas e dados.

Esse ataque, geralmente, não é o objetivo final, mas parte de uma estratégia para conseguir acesso a outras coisas. Com as senhas de um usuário em mãos, o hacker pode danificar sistemas, alterar informações ou até mesmo roubar dados privados da empresa.

O e-mail é um dos principais meios de propagação das técnicas de phishing, que na maioria dos casos faz uso de uma página fake, semelhante à original, para fazer com que o usuário insira seus dados ou senhas.

2. Sequestro de dados

O ransomware tem se tornado cada vez mais popular entre os cibercriminosos devido à taxa de sucesso e ao retorno financeiro. É verdade que boa parte das empresas não trabalha com planos de recuperação e backups.

Os hackers conhecem essa fraqueza e constroem sistemas que criptografam os dados de uma máquina, impedindo que seu usuário tenha acesso a eles, apenas no caso de pagar um resgate.

Geralmente, existe um contador de tempo que determina que, caso o resgate não seja pago, os dados serão destruídos, o que poderia finalizar as operações de uma empresa que não contasse com backup, forçando o pagamento.

3. Fraudes em pagamentos

Fraudes em pagamentos online têm crescido mais e mais todos os anos, sendo várias as maneiras utilizadas pelos cibercriminosos para agir nesse caso.

Elas não são exclusivas apenas dos cartões de crédito, mas também são aplicadas em outros meios alternativos de pagamento disponibilizados pelas empresas. Algumas das principais fraudes em pagamentos são:

  • roubo de identidade: os criminosos usam dados de um terceiro para realizar as compras;
  • fraude amigável: após as compras, o criminoso cancela e pede o estorno do valor, ficando com o dinheiro e as mercadorias adquiridas;
  • fraude limpa: utiliza-se um cartão roubado para a compra, driblando sistemas de detecção de fraudes.

O cibercrime vem crescendo a olhos vistos e é preciso buscar alternativas de investimento em segurança da informação para evitar que sua empresa sofra com fraudes e tenha prejuízos financeiros.

Quer saber como se proteger? Entenda como funcionam as ferramentas de análise de segurança!